A logística é um dos principais responsáveis pela fidelização de um cliente – assim como de uma insatisfação! Uma boa gestão logística com planejamento, controle de estoque e acompanhamento do sucesso, em todas as etapas desse processo, até a entrega ao consumidor final, é o pilar de uma operação bem sucedida.  

Na visão do cliente, concluir uma compra e receber o produto no prazo estipulado é o básico. Após o clique finalizando a compra, o usuário apenas quer que o produto chegue em sua casa sem complicações. É como um ciclo: quanto mais acertos, mais visibilidade e consequentemente, mais vendas.

Agora, tendo em perspectiva a utilização das etiquetas disponibilizadas pelos Marketplaces, como aplicar na prática todos os conceitos descritos acima?

Os portais de Marketplace disponibilizam as famosas etiquetas. São uma mão na roda numa operação do dia a dia. Pelo dashboard do portal você têm acesso aos pedidos aprovados e suas respectivas etiquetas, que correspondem aos protocolos que vão te permitir enviar pelos correios – ou transportadoras parceiras. Além da comodidade, você conta com o sistema integrado, ou seja, o consumidor recebeu em casa, a entrega é atualizada automaticamente.

Até aí, tudo perfeito. Mas podemos mencionar 2 pontos de atenção nesse modelo:

  1. Regras de cobrança de frete
  2. Preços competitivos

As regras de cobrança pelos portais podem ser confusas se a sua gestão não estiver 100% atenta a regra em vigor e ligada nas alterações e ajustes destas mesmas regras – que ocorrem com muita frequência.

Tenha em mente que os valores cobrados de frete pelo portal estão ligados a sua pontuação de reputação. Quanto maior a sua reputação, maior o seu “desconto” de frete. B2W e Mercado Livre são emblemáticos nesse modelo de cobrança. Em linhas gerais, você divide o custo de frete com o portal. E quanto maior for a sua reputação junto a ele, maior será o seu benefício na hora dessa divisão.

Associado a essa modelagem, está a necessidade de se embutir o preço dentro do produto, tendo em vista que pedidos acima de determinados valores aparecem como “frete grátis” ao consumidor final.

Na prática, você precisa estar atento as suas oscilações de nota/reputação para fazer os ajustes pertinentes a cada necessidade. Olho vivo mês a mês!

Com relação ao ponto 2, é importante ficar atento a precificação imposta nesse modelo. Para regiões distantes do eixo SP-RJ, em muitos casos, a precificação de etiquetas pode não ser competitiva. É aconselhável entender junto as operadoras locais de transporte quais os serviços disponibilizados para e-commerce, e se ficar entendido que as opções locais são mais agressivas, é importante ao cogitar a adoção de um modelo próprio de envio, também entender como funcionam os softwares de mercado que ajudam na organização e integração dessa operação.

A logística é um dos principais pilares para o sucesso de uma compra online. Por isso, toda atenção às escolhas ligadas a esse pilar é necessária. Vale a pena recuar alguns passos e entender nos mínimos detalhes, com toda calma, todas as suas opções logísticas antes de aderir a um modelo sugerido pelas plataformas de Marketplace.

Por: Bruno Saraceni, Head de Operações da ReFact